Estadão Noite | Juros mantidos, dólar, delações, foro menos privilegiado, imigração nos EUA e a Copa do Mundo


Após reunião de dois dias, Copom confirmou manutenção da Selic. Crédito: Beto Nociti/Banco Central

Juros mantidos, dólar, delações, foro menos privilegiado, imigração nos EUA e a Copa do Mundo
1 - O Banco Central confirmou a expectativa do mercado e decidiu manter a taxa básica de juros em 6,5% ao ano. Esta é a segunda manutenção consecutiva após 12 cortes seguidos da Selic. O dólar fechou mais um dia em alta, cotado a R$ 3,77, apesar de intervenções do BC.
2 - O STF decidiu, por 10 votos a 1, que delegados de polícia podem fechar acordos de colaboração premiada com investigados sem aval do Ministério Público. A PGR era contrária a esse tipo de acordo, que foi firmado recentemente, por exemplo, entre o ex-ministro Antonio Palocci e a PF na Lava Jato. Para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o MP atua como 'filtro contra a ânsia vingativa' nas delações.
3 - E a Corte Especial do STJ decidiu hoje que a restrição do foro privilegiado passa a valer para governadores e conselheiros de tribunais de contas, que são julgados pelo tribunal. O entendimento segue o do STF, que já determinou a restrição para parlamentares federais. Todos passarão a ser julgados pela primeira instância judicial por crimes não relacionados aos cargos.
4 - O presidente dos EUA, Donald Trump, finalmente cedeu à pressão internacional e assinou uma ordem executiva para encerrar a política de separação de pais e filhos imigrantes ilegais. As famílias devem ser mantidas juntas em detenções federais. Não está claro, ainda, por quanto tempo elas permanecerão presas. Das mais de 2 mil crianças separadas dos pais na fronteira, há ao menos 49 brasileiras.
5 - Na Copa do Mundo, Rússia e Uruguai garantiram classificação para as oitavas depois da vitória dos latinos contra a Arábia Saudita. A Espanha sofreu para furar o bloqueio do Irã e ganhou com gol de Diego Costa. Na seleção portuguesa, Cristiano Ronaldo fez diferença pela segunda vez e garantiu vitória sobre o Marrocos. E os vexames machistas seguem repercutindo de forma negativa e gerando consequências para torcedores brasileiros. Confira a cobertura especial do Estadão no Mundial da Rússia.




Comentários