LOGÍSTICA | Seguro - Aumento de Risco Eleva os Preços

Com prejuízos com roubos que chegam a R$ 1,5 bilhão por ano, seguradoras exigem das transportadoras práticas que reduzam ocorrências, como rastreador do veículo



Os dois últimos anos impuseram uma realidade difícil para os transportadores de carga no país. Se, por um lado, com a crise econômica, houve redução do volume de mercadoria transportada, por outro, o aumento da incidência de roubo de produtos elevou os custos com práticas de prevenção, gerenciamento de risco e seguro.

Hoje, o Brasil é o oitavo país com maior risco de roubo de carga do mundo, melhor apenas do que países como Síria, Iêmen, Líbia, Afeganistão, Sudão do Sul, Somália e Iraque. 

Nesse cenário, o emprego de novas tecnologias tem sido utilizado para prevenir assaltos.

Dentre as mercadorias mais visadas, se encontram: alimentos, cigarros, eletroeletrônicos, bebidas, farmacêuticos etc.

Apesar disso, as medidas de gerenciamento de risco têm levado à queda da sinistralidade. Segundo a Susep (Superintendência de Seguros Privados), o índice, que era de 68,1% no primeiro semestre de 2015, caiu para 64,7% em igual período de 2016 e para 59,5% em junho de 2017. 

Nos primeiros seis meses, o total de prêmios diretos ficou em R$ 1,4 bilhão.

Finalmente, o impacto sobre o prêmio pago pelo cliente pode ser atenuado com o gerenciamento de risco.

Fonte: Valor Setorial. Logística. Out / 2017. pp. 62 e 63 (Adaptado).

Comentários